X

O lugar mais seguro se for apanhado no meio de uma tempestade

É no final do verão que acontecem mais tempestades. Ver como o céu se ilumina e esperançosamente aguardar pela foto perfeita de um raio de luz, deixa-nos sem palavras atrás da janela, isso porque deve ficar claro que: se houver uma tempestade elétrica e se estiver em casa, feche todas as janelas para evitar as correntes de ar que o feixe pode seguir.

Mas o que acontece se uma tempestade elétrica nos apanhar fora de casa?

Em Espanha, por exemplo, acontecem mais de 1.350.000 relâmpagos por ano e, pode parecer mentira, mas não causam muitas mortes. Mesmo assim, é importante saber o que fazer se formos apanhados por uma tempestade, onde nos abrigamos e como evitamos ser um para-raios ambulante.

Se estiver dentro do carro, as recomendações são: desligar o rádio, fechar os vidros e não sair do carro. Além disso, se possível, é aconselhável ficar longe de linhas de energia e cercas de metal, bem como de áreas com tanques de água. Da mesma forma, que se estiver no meio do campo e tiver o carro por perto, é melhor abrigar-se dentro dele e evitar ser o ponto mais alto. O veículo atua como um “Farady Cage” no caso de queda de um raio. A eletricidade espalha-se pelas superfícies externas de metal, mantendo-o seguro por dentro. Por isso, tem de esperar um pouco até sair do carro, para que o carro seja descarregado pelos pneus. Se o raio for forte, os pneus podem rebentar quase imediatamente, então, se estiver a conduzir, é melhor diminuir a velocidade, caso não possa parar completamente. Se o carro tiver um cabo de aterramento, do tipo que colocamos para evitar “faíscas”, pode sair do carro quando o raio cair, pois esse cabo terá descarregado a eletricidade.

Na cidade é praticamente impossível que um raio nos atinja devido à altura dos edifícios e porque muitos possuem para-raios.

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, voar durante uma tempestade é seguro. No caso de ser atingido, o avião funcionará como o carro. O problema que pode existir é o raio danificar um motor ou os instrumentos do avião, mas os pilotos estão treinados para realizar aterragens de emergência caso ocorra essa situação, que embora não seja impossível, é remota.